14 março 2020

FILME DE QUEM É A CULPA-VITIMA OU AGRESSOR !?

| |
Olá meus amores no post de hoje eu venho dedicado ao mês que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, que sempre é 08 de Março.
Bom já falei sobre mulheres notórias da Bíblia parte 1 AQUI e parte 2 AQUI, terminado de ler aqui já vai conferir que tá recheado de mulheres que fizeram história em uma época onde não tinha voz e nem opinião. 

Bom o tema de hoje é mais atual e infelizmente acontece a cada minuto em nosso pequeno grande mundo azul.
Bom quero indicar um filme que levantou alguns questionamentos em mim quanto ao assédio e ao estrupo.
O filme baseado em uma história real é DE QUEM É A CULPA? O filme conta a história de uma jovem querendo ajudar seu namorado a provar que não estuprou uma colega de faculdade.

Bom de início já vemos ela determinada e muito segura que a jovem está inventando tudo, até porque sabemos que isso acontece, eu confesso que em alguns momentos cheguei a duvidar da vítima. Que sim era tudo verdade, mais isso depois de muita humilhação, depois de muitos tapas na cara, ela provou que foi uma vítima da forma mais cruel e baixa possível (quero muito quem já viu comente sobre isso), acho que a namorada ter descobrindo a verdade e mostrando a todos foi uma forma sensível do filme mostrar que muitas as vezes ficam sem justiça.

E acabamos descobrindo que ela (namorada) com 13 anos também foi uma vítima dois homens mal, um que tirou sua inocência e outro por ouvir e pedir pra ela ficar em silêncio.

A minha maior preocupação nesse filme é que aconteceu na Índia, e muitos podem dizer que é porque é lá, mais não isso acontece igual no mundo todo.
Quantas mulheres violadas, violentadas assedias, por conhecidos, por maridos, por pais, é uma raiva que me DOMINA de pensar que um possível agressor, não terá que pagar por isso, pois sabemos como a impunidade está no mundo, como podem nos fazer tanto mal e não ter nada na lei que nos apoie.
Pois hoje muitos não se sentem nem seguros em denunciar pois seu agressor será solto em poucos dias, alguns messes quem sabe, não somos protegidas, não somos não.

Eu quero dizer que quando ouvi movimento feminista, eu logo me considerei uma, mais passei a perceber que quando uma mulher era morta, ou violentada, nunca vi nada da parte do movimento, nem uma passeata, nem uma greve de mulheres para que as leis fossem mudadas, eu comecei a perceber, que a luta delas, por igualdade no trabalho  ideologia de gêneros, legalização do aborto, etc., eram mais importantes que milhares de mulheres mutiladas e mortas, (não quero menosprezar a luta de ninguém, mais a violência e morte de mulheres cresce a cada dia).
Eu me considero hoje feminina, uma mulher que um dia quer ver um pais que nos veja como um flor a ser cuidada e regada, sim eu sou frágil, não no sentido de não poder batalhar e lutar por mim e pelas minhas convicções, mais no sentido que como ser humano, a criação é que sempre vamos ser dependentes, do próximo (homem ou mulher), ninguém consegue ser feliz sozinho, não é?

Eu quero deixar claro que não gostava de política, mais acho que nos dias atuais temos que pesquisar sempre os dois lados, temos que buscar verdades, ver quem mente, quem diz a verdade, na verdade a busca por informações é muito importante, isso foi o que muitas mulheres e homens lá atrás na história lutaram pra que eu e você tivesse acesso. #vivademocracia.

Bom meus amigos espero que mesmo que sua opinião seja diferente, você seja cortical nas palavras, sem ofensas, e sabendo expressar suas ideias com elegância e inteligência.

Vou ficando por aqui, espero que tenham gostado do post de hoje, beijos e até mais.

9 comentários:

  1. confesso que não tinha ouvido falar ainda desse filme, e é muito importante a gente refletir sobre esse assunto nos dias atuais, ótimo artigo

    ResponderExcluir
  2. Não conheço esse filme, ainda não tinha nem ouvido falar. Mas já anotei pra poder assistir. Infelizmente temos muita injustiça contra as mulheres. Muitos crimes impunes e poucas pessoas pra lutar contra. Muito bom o posto, isso é um alerta para a justiça

    ResponderExcluir
  3. Esse é daqueles filmes que a pessoa assisti e não esquece tão cedo, infelizmente a mulher é tratada como uma coisa qualquer, a onde o homem acha que ele é dono da mulher. O livro mostra o que acontece muito por aí, bjs.

    ResponderExcluir
  4. Opa aí aí e um filme que preciso ver para hoje pois eu gosto de filmes que nós faça pensar no outro e ter mais empatia mesmo com pessoas de outra cultura como no filme. Fiquei bem curiosa.

    ResponderExcluir
  5. Nunca tinha ouvido falar desse filme, mas dá pra ver que é difícil de encarar. Vou pegar pra ver num dia em que eu esteja pronta pra sentir o nó na garganta, mas com certeza vou assistir pela atualidade e relevância (além de abrangência, porque, como você disse, sendo indiano ou não, ocorre no mundo todo) do assunto. Você tirou ótimas reflexões do que assistiu, isso que é gostoso no cinema e nas artes em geral. Abs ♥

    ResponderExcluir
  6. Oiii,
    Eu ainda não conhecia o filme e nem ouvido falar, mas pela resenha dele percebi ser um filme que nos faz refletir bastante, sobre assuntos sociais e sobre a mulher

    ResponderExcluir
  7. Oi, Dai!
    Não conhecia o filme, mas já vou dar aquela conferida, né? Eu adoro temas assim e acho que sim, é necessário olharmos os dois lados, pesquisar tudo com cautela. Pautas assim são essenciais para o crescimento do movimento.
    Adorei do texto.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Ótima dica de filme, eu ainda não assisti a esse filme e já vou procurar. Recentemente aqui na minha cidade, tivemos uma passeata pelos últimos casos de estupro e feminicídio ocorridos aqui.

    ResponderExcluir
  9. Eu nao conhecia esse filme nao, mas ja fiquei com vontade de assistir

    ResponderExcluir